terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

Chapada Diamantina tem história e turismo ecológico; é lugar obrigatório para se conhecer

Por Emanuel Neri
O Brasil é um país enorme, tem mil e uma atrações, mas sempre nos surpreendemos com a beleza de um destino turístico que ainda não conhecemos. A Chapada Diamantina, na Bahia, é um desses paraísos brasileiros que precisam ser conhecidos.
A 425km de Salvador, a Chapada Diamantina é formada por 53 municípios, com cerca de 350 mil habitantes. Tem uma área de 38 mil km2, maior do que países como Holanda e Bélgica. É um pouco menor que o Estado do Rio de Janeiro, que tem 42 mil m2.
Mas a maior atração da região são as cidades históricas, como Ilheus, Igatu, Andaraí, Rio das Contas, Mucugê e a imperdível – com apelo puramente ecológico – Vale do Capão (povoado, que pertence ao município de Palmeiras). São áreas do núcleo central do Parque Nacional da Chapada Diamantina.
Além das cidades históricas, o que conta muito na Chapada Diamantina é o turismo ecológico e o turismo de aventura. As atrações são muitas: cachoeiras, trilhas, rios, inscrições rupestres, cavernas e grutas. E uma história para deixar todos com água na boca.
A Chapada Diamantina é um planalto extenso, com altitude de 800 a 1000 metros. Mas há serras e picos que chegam a 2000 metros. A região faz parte da história do Brasil. Foi importante centro de mineração de ouro e diamante – daí seu nome.
Só a Serra do Sincorá chega a ter 160 km de extensão, alternando picos altíssimos com vales profundos, onde estão os canyons. O morro Pai Inácio – antigo escravo da região – é uma atração à parte. Do alto do morro, pode-se ver boa parte da Chapada.
O Parque Nacional, criado em 1985 e bastante preservado, tem 1552 km2. Ali não se pode explorar agricultura nem minérios – tudo está sob o controle do Ibama, órgão de defesa do meio ambiente do governo federal. Atrações turísticas são permitidas.
O objetivo do Parque Nacional é preservar a grande beleza natural da região e a rica diversidade biológica da cadeia de montanhas. Morros como o Serano, do Camelo e do Chapeu são belissimos. Mas a grande atração são as grutas. Há muitas na região.
A gruta da Lapa Doce impressiona pelo tamanho e beleza. São dezenas de quilômetros de extensão, por onde passam rios subterrâneos. Mas os visitantes só podem percorrer 850 metros. Ela está a cerca de 80 metros abaixo do solo.
O cenário é deslumbrante, com a formação das estalactites (foto), que pendem dos tetos das grutas, e as estalagmites, que se formam no piso. Ambas são formadas por infiltração de água que vem da parte externa da gruta. Há presença de cristal.
Você passeia por estas grutas –e há muitas outras, como a Torrinha e Poço Azul – com lanternas, porque a escuridão é total. Verdadeiras esculturas pendem do teto das grutas, como os deslumbrantes anjo, o leão e o presépio da Gruta Lapa Doce.
Se você ainda não conhece a Chapada Diamantina, é hora de arrumar as malas e vir conhecer. Lençóis, porta de entrada da Chapada, é muito bonita. Há hotéis e pousadas para todos os gostos e bolsos. Chega-se de avião (daTrip) ou de ônibus, de Salvador.
O Brasil sempre surpreende por suas belezas e atrações, que são maravilhosas.
Conheça mais sobre a Chapada Diamantina, clicando nos links abaixo:

4 comentários:

  1. Sylvia e Rui Quintãos7 de fevereiro de 2012 20:12

    Somos da mesma opinião sobre a Chapada Diamantina e muito especialmente Vale do Capão !!!!!!!!!!
    Sylvia e Rui.

    ResponderExcluir
  2. Neri, meu caro. Está muito legal o seu blog. Força. Abs., Sergio Lirio

    ResponderExcluir
  3. MUITO BOM SEU BLOG, ESTOU SEGUINDO.FAVOR, TAMBÉM SIGA O MEU. www.correiodeipanguacu.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Neri, adorei o seu blog, visitei a chapada e realmente voce nao aumentou em nada, é exatamente isso. Abraços

    ResponderExcluir