quinta-feira, 5 de maio de 2016

Conheça as propostas de empresas de SP para suas festas de réveillon/2017 em São Miguel do Gostoso



Por Emanuel Neri
O tema é polêmico e toda vez que é discutido levanta opiniões a favor e contra.
Assim tem sido a discussão sobre o réveillon que empresas organizadoras de grandes eventos, de São Paulo, querem fazer em São Miguel do Gostoso no final deste ano. Algumas pessoas acham que a cidade não tem estrutura hoteleira e de restaurantes para  suportar uma demanda que, por baixo, pretende reunir em torno de 1.500 pessoas.
Outra parte, formada por proprietários de pousadas e de restaurantes, concordam com a proposta da festa, desde que ela se adapte às condições de infraestrutura e ambientais de São Miguel do Gostoso. Hoje este grupo é maioria e, com o apoio da Prefeitura local e da Aegostoso, dão sinal verde para a realização da festa.
E os organizadores do réveillon/2017, tendo à frente a empresa Mates, de São Paulo, flexibilizaram ao máximo a proposta para poder realizar parte das suas festas em áreas próximas à cidade e outra parte em um condomínio, chamado Paradise, que fica próximo ao farol do Calcanhar, no município de Touros.
Estas empresas já realizaram réveillons semelhantes (foto acima) nas praias de Trancoso (BA), São Miguel do Milagres (AL) e na Ilha de Fernando de Noronha. Todas estas festas atraíram grande quantidade de jovens principalmente de São Paulo e outras regiões do centro-sul do país.
Mas o fato é que o “apelo” de marketing desta festa é mesmo São Miguel do Gostoso. É esta cidade, hoje importante polo turístico do Nordeste, que desperta interesse de empresas para a realização de suas festas. A opção pelo Paradise é porque Gostoso não tem condições para atender todo este público.
Na noite da última terça (4/5), hoteleiros e donos de restaurantes de São Miguel do Gostoso se reuniram com a prefeitura e com a Aegostoso para conhecer a proposta das empresas para esta festa do final do ano. Uma delas é que só 800 pessoas (apenas casais) do total de 1.500 ficariam na cidade.
Estas 800 pessoas seriam distribuídas pelas pousadas locais, mas apenas se o proprietário destes estabelecimentos concordarem em aceitar este público. Por exemplo: se uma pousada tem 20 chalés, pode disponibilizar a metade para este evento. Mas tem a opção também de não disponibilizar nenhum.
O mesmo vale para restaurantes. Dependendo de sua capacidade, um restaurante pode vender, por exemplo, por meio de “vaucher”, 20 ou mais refeições para almoço ou jantar. Mas isso fica a critério de cada estabelecimento. Se ele quiser, não vende nenhuma refeição para o grupo.
Havia informação de que os dois grupos empresarias - a Mates e a New Fun -, que estavam disputando a festa em São Miguel do Gostoso, se juntaram para organizar um único evento. A New Fun nega. Mas é fato que a base desta festa será mesmo o condomínio Paradise, no Farol do Calcanhar. Ali será montada estrutura de alimentação para atender o público da festa.
As festas noturnas, inclusive as com música eletrônica, serão no Farol do Calcanhar. Mas as empresas pretendem fazer festas diurnas em São Miguel do Gostoso. Mas nenhuma delas será na beira da praia. Provavelmente serão alugadas propriedades para que estas festas possam ser realizadas ali.
Vejam a programação das festas. Em áreas próximas a São Miguel do Gostoso, sempre durante o dia, haveria festas dia 28 de dezembro, outra no dia 30, com samba e feijoada, e duas outras, sempre com músicas brasileiras, nos dias 1 e 2 de janeiro. As outras festas, noturnas, como o réveillon, serão no Farol do Calcanhar.
Alguns terrenos estão sendo vistos para a realização de festas em São Miguel do Gostoso. Um deles é uma área de propriedade de uma paulista que fica na estrada que liga Gostoso ao distrito do Reduto. Outra é uma arena de festas da família Venâncio, na estrada do Nogueira, continuidade da rua dos Dourados.
Mas estas festas  podem ser também em bares urbanos da cidade, sempre se seus proprietários aceitarem vender seu espaço para estas festas. O evento também quer prestigiar o comércio local, comprando gêneros alimentícios em supermercados, e disponibilizar ônibus para o trajeto entre a cidade e o Farol do Calcanhar.
Os organizadores da festa pretendem vir a São Miguel do Gostoso no final de maio ou início de junho. Eles vão detalhar a capacidade que pousadas e restaurantes podem disponibilizar para o evento. Pretendem comprar dois tipos de pacotes em pousadas – um que vai de 26/12 a 2/1 e outro de 28/12 a 2/1.
Como vocês podem ver, não há intenção de fazer festas na Ponta do Santo Cristo ou em outras áreas de praia, para evitar impacto ambiental principalmente em relação a ninhos de tartarugas.  Os organizadores da festa se comprometem a fazer outra festa em época de baixa estação na cidade, patrocinada pela Adidas.
No link abaixo, post anterior deste blog sobre as festas de réveillon que estas empresas querem realizar em São Miguel do Gostoso.

segunda-feira, 2 de maio de 2016

Fligostoso trouxe emoções, conhecimento e muita cultura a crianças e jovens de São Miguel do Gostoso



Por Emanuel Neri
Foi um acontecimento cultural para ninguém botar defeito.
O Festival Literário de Gostoso, mais conhecido por Fligostoso, que aconteceu em São Miguel do Gostoso de 28 a 30 de abril, foi para encher corações e mentes. Principalmente de crianças e jovens, pois a literatura infanto-juvenil foi o foco principal deste importante evento na cidade.
Durante três dias, houve exibição de filmes, teatro, palestras, oficinas culturais, contação de histórias, apresentações artísticas e muitas outras atividades. O Centro de Cultura da cidade, local do evento, manteve-se cheio, principalmente de crianças e adolescentes, nos três dias do Fligostoso.
Parabéns ao Sesc e à Prefeitura de São Miguel do Gostoso pela realização de mais este evento cultural na cidade. Outros acontecimentos culturais de grande importância, como a Mostra de Cinema de Gostoso e Bossa & Jazz, já são realizados aqui. Todos eles atraem público de fora para a cidade.
Mais do que atrair público de fora para estes eventos, acontecimentos como o Fligostoso contribuem de forma decisiva para a formação cultural e educacional de crianças e jovens de São Miguel do Gostoso. Para quem acompanhou o Fligostoso, não há dúvidas de que este evento marcou este público para sempre.
Biblioteca móvel, montado em carreta (foto acima, visitada por crianças) e estandes de editoras para a venda de livros,  nos jardins do Centro de Cultura, foram muito visitados por jovens e pais. Em outros locais, havia espaços para oficinas de vivência em narrativas e construção de histórias a partir da linguagem visual.
Durante o Fligostoso, houve palestras interessantes. Uma delas ocorreu na noite do dia 29, sexta-feira, e foi dada pela escritora gaúcha Cleo Bussato. Esta escritora falou sobre literatura e “encenou” partes do livro de sua autoria, “A Fofa do Quarto Andar”. Foi um dos melhores momentos do Fligostoso.
Também na noite do dia 29, o responsável por este blog falou sobre seu livro, “Cabeças do Vento”, que fala de São Miguel do Gostoso, e incentivou os jovens presentes a também contarem suas histórias. No sábado, a escritora carioca Lúcia Fidalgo abordou o tema “Dialogando com os livros e com as histórias”.
Houve ainda ótimos espetáculos de teatros e bons filmes que passaram no auditório principal do Centro de Cultura. Um destes espetáculos foi “O Seu rei Mandou”, da Cia Meias Palavras, de Pernambuco. Outro bom espetáculo foi o “Cabe na Mala”, do grupo carioca “Os Tapetes Contadores de História”.
No sábado à tarde, foi exibido o filme “Hoje eu Quero Voltar Sozinho”, um drama/romance que envolve adolescentes. Este filme foi o ganhador do prêmio principal da Mostra de Cinema de Gostoso, em 2014. Mas houve muitas outras atrações que encheram os olhos da população de São Miguel do Gostoso.
No final da tarde do sábado, um “cortejo cultural” saiu da Praça dos Anjos, no bairro do Maceió, e foi até o Centro Cultural, acompanhado pro grupos teatrais locais e de outras cidades. Quem assistiu a passagem deste cortejo se emocionou. A pergunta que se faz, depois de ver tudo isso, é a seguinte:
Quando São Miguel do Gostoso teve oportunidade de ver tantos acontecimentos culturais diversos ocorrendo na cidade?
Para se ter uma ideia do resultado do Fligostoso, basta ver o resultado de oficinas que estimulavam a criatividade de jovens. Estes adolescentes iam retirando palavras ou objetos de um “baleiro” e, a partir daí, escreviam frases, em um grande painel, que tivessem a ver com aquelas palavras ou objetos.
O resultado deste trabalho impressionou por sua sensibilidade e base poética.
Um dos jovens escreveu: “E eu, no meu universo, me equilibrando entre fúria e afeto”. Outro escreveu: “A inspiração vem do ângulo dos seus olhos”.  Mais uma construção poética belíssima escrita por outro jovem. “Vou olhar para o sonho”. Linda a inspiração destes jovens talentosos da cidade.
O Fligostoso foi assim. Emoções à flor da pele, divulgação de conhecimentos e muita criatividade para todos aqueles que foram ao Centro de Cultura ver um dos momentos mais significativos para a cultura de crianças e jovens de São Miguel do Gostoso.
Que o Fligostoso prossiga – e cresça mais ainda nos próximos anos. E continue a trazer e produzir emoções e conhecimento para crianças e jovens de São Miguel do Gostoso.

segunda-feira, 25 de abril de 2016

Bossa & Jazz será em maio. São Miguel do Gostoso vai conhecer grandes artistas nacionais e internacionais



Por Emanuel Neri
Imagine um show que vai ter, de um lado, a pianista e cantora Leila Pinheiro e, do outro lado, o violonista e compositor Roberto Menescal. Isso é o que se pode chamar de show da fina flor da música brasileira.
Pois se prepare porque este show será uma das principais atrações do Fest Bossa & Jaz que será realizado de 27 a 29 de maio, em São Miguel do Gostoso. Além de Leila e Menescal (foto acima), a versão 2016 do Bossa & Jazz na cidade terá muitas outras atrações, entre elas o soul music americano Willie Walker.
O Fest Bossa & Jazz é um dos eventos que mais atrai gente para São Miguel do Gostoso. E este ano ele vem modificado. Primeiro, não mais será realizado em agosto, como em 2015, para não concorrer com o mesmo evento em Pipa e Natal. Depois, ao contrário do ano passado, este ano ele será realizado na sexta, sábado e domingo.
No ano passado, o Bossa & Jazz de São Miguel do Gostoso foi realizado num final de semana de agosto. No meio da semana seguinte o evento foi em Natal, enquanto no final de semana seguinte foi em Pipa. Isso fazia com que parte do público tivesse que optar por uma ou outra cidade, para evitar maiores gastos.
Tem outra vantagem quando se compara o Bossa & Jazz deste ano com o do ano passado. Por ser separado do de Pipa e Natal, ele vai ter uma programação própria. Será diferente até mesmo do Bossa & Jazz que, pela primeira vez, será realizado na cidade de Mossoró, dias 25 e 26 de maio.
E este ano o Bossa & Jazz vem no período de maior baixa estação de São Miguel do Gostoso – os meses de maio e junho são os mais fracos para o turismo local. O Bossa & Jazz vai fazer com que todas as pousadas e restaurantes da cidade fiquem cheios por três dias, na baixa temporada.
Por este motivo, é muito importante que a rede hoteleira e de restaurantes de São Miguel do Gostoso colabore com este evento. A direção do Bossa & Jazz vai necessitar que as pousadas cedam alguns dos seus aposentos para hospedar os artistas e produção do festival. É muito importante esta colaboração de todos com o evento.
Se o Bossa & Jazz é importante para a cidade, a rede de turismo local tem que ajudar na realização deste festival. No ano passado, o Bossa & Jazz ocupou praticamente todas as pousadas da cidade. Restaurantes e bares ficaram igualmente cheios. O comércio também faturou alto com este evento.
Se é bom para São Miguel do Gostoso, o Bossa & Jazz também será bom para toda a economia local, em especial para a rede hoteleira e de restaurantes. Se todos colaborarem, todos vão faturar mais e o Bossa & Jazz vai se consolidar como um dos maiores eventos da cidade – e feito em plena baixa temporada.
O lançamento do Bossa & Jazz/2016 será no dia 4 de maio, no Centro de Cultura de São Miguel do Gostoso. Em seguida, haverá um coquetel, em um dos estabelecimentos locais, para organizadores do evento e jornalistas. A Prefeitura de São Miguel do Gostoso é uma das patrocinadoras deste evento.
Este ano, ao contrário do que ocorreu no ano passado, ambulantes locais poderão montar suas barracas na área do evento, na praia da Xepa. Mas é necessário que ambulantes interessados se inscrevam na Prefeitura. Como em 2015, a organização do evento trará à cidade “food trucks”, carros com comida e bebidas.  
Mas o mais importante do Bossa & Jazz/2016 é a sua programação. Leila Pinheiro é uma excelente cantora, enquanto Roberto Menescal é um dos fundadores da Bossa Nova, ao lado de Tom Jobim e Vinícius de Moraes. Menescal é o autor de “O Barquinho”, um dos clássicos da bossa nova. Grandes intérpretes brasileiros, como Elis Regina e Nara Leão,já gravaram suas músicas.
Já Willie Walker é o que se pode chamar de lenda viva da soul music americana - gênero musical que surgiu entre os negros, no final da década de 50, e que é considerado uma fusão dos estilos Rhythm and Blues e Gospel, música de origem religiosa. A soul music também é conhecida entre os negros americanos por “soul food” (comida da alma).
O Bossa & Jazz de São Miguel do Gostoso vem com muitas outras atrações.  Uma delas é o do gaitista e compositor Flávio Guimarães, pioneiro do blues no Brasil e fundador da banda Blues Etílicos. Mas o restantes da programação do Bossa & Jazz, com dia e horários de shows, só será conhecida no dia 4 de maio.
Mas é fato que o Bossa & Jazz deste ano em São Miguel do Gostoso será muito melhor do que o do ano passado. E vai dar visibilidade e atrair mídia positiva para a cidade. A InterTVCabugi é parceira do evento. Além da cobertura, com reportagens, este canal de TV (Globo) também divulgará anúncios sobre o Bossa & Jazz em sua programação.
Nos links abaixo, você vai conhecer os trabalhos de Leila Pinheiro, Roberto Menescal, Willie Walker e Flávio Guimarães, inclusive com vídeos de músicas executadas por estes excelentes músicos.

quinta-feira, 21 de abril de 2016

Direita venceu e deu primeiro passo no golpe contra Dilma. Mas deixou um rastro de horrores na votação



Por Emanuel Neri
OK, a direita venceu. Mas foi grotesco o espetáculo que se viu domingo passado na Câmara dos Deputados, na aprovação da admissibilidade do afastamento da presidenta Dilma Rousseff (PT). Além de grotesco, foi um espetáculo circense – ou um verdadeiro festival de horrores.
O pedido de impeachment de Dilma foi aprovado por 367 deputados – para aprovar bastariam 342 votos. Agora, o processo vai para o Senado, que também julgará o pedido de afastamento da presidenta. Se passar no Senado, Dilma se afasta do governo por 180 dias, para que haja o julgamento final.
Mas o que sobrou da votação que deu o primeiro passo para o golpe que pode acabar no afastamento de Dilma, eleita em 2014 com mais de 54 milhões de votos?
Para início de conversa, o que de pior aconteceu foi o golpe contra a democracia. Não se afasta uma presidenta sem uma acusação forma de crime de responsabilidade. E não há nenhum crime praticado por Dilma. Então o que houve foi mesmo um golpe. Contra Dilma e, mais grave ainda, contra a democracia brasileira.
A votação que terminou na aprovação do afastamento de Dilma vai ficar marcado na história como um dos piores espetáculos políticos do Brasil. Durante quase cinco horas de votação, ocorreu de tudo no plenário da Câmara dos Deputados.
“Pela minha família, pela minha mulher, pelos meus filhos, pelos meus netos, por Deus, pela nação evangélica, pela Bíblia, pelos corretores de seguro, pela minha Igreja... voto sim”, foi o que mais se ouviu durante a votação.
Um dos momentos mais horripilantes foi o do voto do deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ), que prestou homenagem ao coronel torturador Carlos Alberto Brilhante Ustra. Este torturador, que o Brasil devia riscar de sua memória, foi um dos militares que, durante a ditadura, torturou barbaramente Dilma.
Até hoje Dilma, que ao ser presa tinha apenas 19 anos, sofre sequelas das torturas que sofreu deste torturador. Além das torturas, Dilma levou soco de Ustra que quebrou seus dentes e  mandíbula.
Por isso mesmo Bolsonaro fez questão de homenagear Ustra. Muita gente no Brasil foi vítima daquele torturador. Ustra era cruel com os presos políticos da ditadura militar (1964-1985). Torturava mulheres na frente dos filhos. Introduzia ratos em vaginas de mulheres grávidas. Matou inúmeras pessoas.
O mesmo Bolsonaro referiu-se ao deputado Jean Willys (PSOL-RJ), que é gay, com xingamentos homofóbicos. Em troca, Willys cuspiu na cara de Bolsonaro. Willys recebeu milhares de apoio, inclusive da torcida do Corinthians, quarta-feira à noite, em São Paulo, durante jogo pela Taça Libertadores da América.
“Cuspa por nós”, respondeu a torcida corintiana, em um enorme painel humano, formado por milhares de pessoas.
Mas o circo de horrores não parou aí. A deputada Raquel Muniz (foto acima), do  PSD de MInas, fez questão de citar seu marido, prefeito de Montes Claros (MG), como exemplo  de homem honesto, ao votar “sim”. No dia seguinte, seu marido foi preso pela Polícia Federal por desviar verba pública para um hospital da família.
É fato que muito mais da metade dos deputados que votaram pelo impeachment respondem a processos na Justiça por corrupção. O próprio relator do impeachment, Jovair Arantes (PTB-GO), foi condenado no dia seguinte à votação por usar funcionários públicos em sua campanha eleitoral.
Junto com o festival de horrores, o impeachment fortaleceu corruptos de todas as espécies. Já há um movimento na Câmara dos Deputados para “anistiar” Eduardo Cunha, presidente da Casa, das inúmeras acusações de recebimento de propinas. Cunha tem contas milionárias em bancos da Suiça.
Brasília também viveu um festival de hipocrisia na votação do impeachment. Uma repórter flagrou deputados que votavam “sim”, em nome das suas mulheres e filhos, enquanto, em seguida ao voto, mandavam afagos, via whattsapp, para suas amantes. Havia até garotos de programa na lista da “festa” do golpe.
A votação do impeachment descambou também para a galhofa. Para “puxar o saco” de Michel Temer, que quer ser o substituto de Temer, a revista Veja divulgou foto de sua mulher, Marcela, e a chamou de “bela, recatada e do lar”. Isso acabou virando piada nas redes sociais, ridicularizando a revista.
No Rio Grande do Norte, sete dos oito deputados – exceção de Zenaide Maia – votaram pelo impeachment. O voto de Fábio Farias (PSD) levou o PT local a romper com seu pai, o governador Robinson Faria. O deputado Walter Alves (PMDB), cuja família sempre se locupletou do governo, também votou a favor do golpe.
Já dizem até que há uma maldição rondando os políticos que apoiaram o golpe. E esta maldição pegou até mesmo o ex-deputado e ministro Henrique Alves (PMDB-RN), que pulou do barco do governo de última hora para abrir os braços para o impeachment.
Na madrugada desta quinta (21/4), Henrique Alves foi flagrado dirigindo, com suspeita de embriaguês, em Natal, e se recusou a fazer o teste do bafômetro. Por isso, teve sua carteira de habilitação apreendida.
Veja, nos links abaixo, uma série de informes sobre desdobramentos do golpe, inclusive reportagens de jornais e TVs no exterior (não deixe de ver informe da TV americana CNN). Veja também quem foi o coronel Ustra, homenageado por Bolsonaro e a cusparada que ele levou de Jean Willys.