domingo, 8 de janeiro de 2012

Nos primeiros dias de proibição, houve tráfego nas praias; Prefeitura tem que reforçar sua fiscalização

Por Emanuel Neri
Nos dois primeiros dias de proibição de trânsito de veículos automotivos nas praias urbanas de São Miguel do Gostoso, ainda foram vistos muitos carros e motos circulando pela orla. Diminuiu o número de veículos se comparado a outros dias, mas ainda tem motoristas desrespeitando a lei.
Era visível ontem a participação da população pedindo aos motoristas para não trafegarem na praia. Alguns motoristas atendiam, dirigiam seus carros para os acessos às ruas, mas outros faziam que nem era com eles. Até uma caminhonete da Serveng – empresa de energia eólica – passou várias vezes pela praia.
O veículo da Serveng, marca Mitsubishi, modelo L200, cor branca, passou várias vezes pela praia. Seu motorista foi advertido, mas fez que não ouviu. A Serveng precisa tomar providências contra este mal funcionário. Uma empresa que é responsável  tem que respeitar as regras do município em que ela atua.
A Prefeitura também precisa se mobilizar melhor para que a proibição seja respeitada. Faltam placas nas praias orientando os motoristas a não trafegarem por ali. Também falta policiamento. O comando da Polícia Militar havia prometido à Prefeitura que reforçaria o policiamento na praia.
Mas ontem este policiamento não apareceu. A AEGostoso – Associação de Empreendedores de São Miguel do Gostoso – solicitou audiência com o prefeito Miguel Teixeira para pedir a agilização destas medidas. A Prefeitura também precisa fechar os acessos que permitem passagem para a praia.
É importante que motoristas que teimam em trafegar na praia – com bugues, motos e quadriciclos – saibam que estão cometendo um crime. Este tipo de crime (lei 7661) está previsto no Plano Nacional de Gerenciamento Costeiro. A Câmara Municipal de São Miguel do Gostoso está regulamentando a lei para que ela tenha efeito local.
Quando o policiamento começar a ser feito, estes motoristas que insistem em trafegar na praia podem ter seus veículos apreendidos. É importante que a população faça advertências a eles, dizendo que não podem trafegar na orla – se eles insistirem em dirigir na praia, a polícia (084-91907020) deve ser acionada.

16 comentários:

  1. Leiam a reportagem da Tribuna do Norte de hoje sobre o absurdo dos carros nas praias do RN. Esse problema é do estado todo. Parabéns para a comunidade de Gostoso por ser precursora no combate a esse tipo de crime ambiental e nocivo à integridade do ser humano. Vamos lutar aqui também com o som alto que afasta os visitantes no Nordeste e faz mal à nossa saúde. Em Gostoso é que começou a 'Primavera' desses abusos contra a população. Já é tempo de os jornais do estado fazerem uma matéria sobre nossa cidade e os movimentos que fazemos pro bem do próximo. A 'Primavera' só está começando.
    JJ

    ResponderExcluir
  2. No segundo dia de proibição também teve trânsito na praia Emanuel Neri. Vi uma mãe quase em pânico porque sua criança corria na praia e de repente apareceu um quadriciclo em alta velocidade e bem próximo da criança. Carros, motos e quadriciclos continuaram andando livremente pela praia. Também não se pode ficar esperando pelas advertências dos cidadãos comuns, embora tenhamos sim que colaborar com isso, mas o poder executivo tem que ter mais atenção em ser realmente "executivo". Nesses dois dias não houve nenhuma atenção do poder público ao que continuou acontecendo. Certo que foi uma final de semana, mas a Prefeitura é a instituição do "executivo" e tem que se preparar para isso também. O trânsito na praia oferece riscos a minha vida e de outras pessoas e garantia de vida é uma questão de segurança pública também! Não houve, portanto, nenhum policiamento! Automobilistas que veem outros andando para cima e para baixo sem nenhuma restrição já começam a se chatearem e logo recomeçam a fazer o mesmo. A partir do primeiro momento da proibição deveria os primeiros dias serem de efetivo acompanhamento e apoio das pessoas mas também da polícia e do poder executivo!

    Alex Matias

    ResponderExcluir
  3. Concordo com Alex . Triste saber que apesar da populaçao ter pedido e acreditado nesta proibiçao a prefeitura nao tenha se manifestado em defesa a populaçao. Mas acho que nao devemos desanimar . Devemos cobrar resultados. Vamos nos unir e pedir que o direito dos banhistas e crianças sejam respeitados.
    Importante a atuaçao dos policiais .
    Cacau

    ResponderExcluir
  4. Se acontecer um acidente já sabemos à quem culpar.
    ALÔ PREFEITURA !!!!!!!!

    ResponderExcluir
  5. Não desanimemos na luta contra os carros na praia,vamos denunciar,ligar para a polícia ....Aló prefeitura,acorda!!!!

    Josicleide da Silva

    ResponderExcluir
  6. A voz do povo é uma ordem para qualquer governo democrático porque senão depois não tem voto não.

    ResponderExcluir
  7. EMANUEL TAMBEM ESTA PROIBIDO KAYT SURF EM OUTRAS PRAIAS MAIS SEU SOBRINHO FAZ FALE COM ELE EXEMPLO PARA SER BOM COMEÇA DE CASA CERTO ENTÃO FICA DADO RECADO DE UMA VOLTINHA ENFRENTE SUA POUSADA QUE VOCÊ VAI VER

    ResponderExcluir
  8. Quando se diz que as coisas em Gostoso são difícies de serem realizadas é uma verdade, primeiro foi a proibição de Kite surf em áreas de banhistas, isso não aconteceu, tenho visto praticantes deste esporte nas praias desta cidade bem próximos aos banhistas, e agora como irão proibir o transito na praia sem fiscalização, a Prefeitura informou que a polícia ia fiscalizar, como fiscalizar? se o número de policiais em nossa cidade só tem 3 ou 4 policiais, e se esses forem para as praias, como é que fica as ruas da nossa cidade, aqui tudo se torna defícil, até mesmo um boletim de ocorrência tem que ser feito na cidade de Touros, isso é uma vergonha minha gente, o poder público deveria tomar as devidas providências, para fiscalizar é preciso colocar pessoas para fazerem esse trabalho, e só a Prefeitura tem essas condições, quando se quer fazer acontecer dois ou três mil reais a mais na despesas da Prefeitura isso não é nada, muitas veses gastam com coisas imdevidas muito mais que isso, que vai baneficiar toda a população, principalmente tranquilizando os pais de famílias que levam ou deixam os seus filhos irem a praia.
    " O que fizemos apenas por nós mesmos morre conosco, o que fizemos pelos outros e pelo mundo permanece e é imortal".
    Luiz

    ResponderExcluir
  9. Anonimo, Sou praticante de kite surf em Sao Miguel do Gostoso a mais de 3~4 anos, e sou sobrinho do Emanuel Neri, e tenho visto a evolu;ao da cidade devido a esta pratica destes esportivas(kitesurf e windsurf).

    Nesse periodo nunca passei por perto de nem um banhista, afinal a praia de Sao Miguel Do Gostoso [e muito deserta, quando fa;o meu DownWind saindo da praia do Santo Cristo ate a frente de minha casa(na praia de Xepa), se eu vi nesses 2km de praia 5 pessoas dentro da agua [e muito, tirando os domingos.

    Praias como: Ponta Negra em natal-RN e diversas prais do Rio de Janeiro tem 100000% a mais de pessoas na areia e nao foi proibido a pratica desse esporte, eu acho que tao sendo um pouco radical com o esporte que fez Sao Miguel do Gostoso ter suas 25+ pousadas, acredito q nao tenha sido por ter praias desertas afinal no Brasil com seus 7.408 km de litoral o que nao deve faltar [e praia deserta.

    Att.
    Pedro Hugo Neri.

    ResponderExcluir
  10. Caro Pedro Hugo sei que você é praticante desse esporte, que, aliás tem crescido bastante aqúi em nossa cidade, mas você pouquíssimas vezes durante um ano está aqui em São Miguel, e eu sou morador daqui, e todos os dias vou a praia, um dia desses presenciei quando um carro foi estacionado na praia da Xêpa, e nele estavam alguns praticantes deste esporte, e foi alí mesmo num trecho muito perigoso entre os barcos e os banhistas que esses praticantes ficaram, muitas vezes passando muito perto dos banhistas, não sou contra a pratica kite surf, que tem ajudado no desenvolvimento turístico das nossas praias, mas que também alguns praticantes deixem os banhistas mais tranquilos.
    Luiz

    ResponderExcluir
  11. Karin - São Paulo10 de janeiro de 2012 14:54

    Eu e meu marido passamos este réveillon em São Miguel do Gostoso, alugamos um bugue no dia 28/dez e no mesmo instante decidimos que faríamos nossos passeios pela estrada e deixaríamos os banhistas, as conchas, as plantas e os siris em paz. Por volta do dia 30, percebemos as faixas do Balacobaco pedindo a população para não andar mais com veículos na areia. Não sabíamos que uma lei iria entrar em vigor.
    Bom, estou aqui para agradecer a movimentação de vocês.
    São Miguel é lindo e precisa ser preservado, mas exige um trabalho de reeducação tanto com moradores quanto visitantes. Pousadas, guias, bugueiros, garçons, etc, todas as pessoas que tem acesso ao turista devem ser conscientizadas para conscientizar.
    Agradeço mais uma vez, um abraço,
    Karin

    ResponderExcluir
  12. Obrigado Karin por vir nos visitar e respeitar nossas praias apesar de não morar aqui. Fique certa que aqui também é um cantinho seu que você conquitou por respeitar nossa natureza e seus cidadões. Volte sempre, vamos defender nossas praias e a vida de nossos banhistas e mostrar para o Brasil e o mundo que o que faz a diferença de nosso lindo lugar é o povo.

    ResponderExcluir
  13. DECRETO Nº 5.300 DE 7 DE DEZEMBRO DE 2004: Regulamenta a Lei no 7.661, de 16 de maio de 1988, que institui o Plano Nacional de Gerenciamento Costeiro - PNGC, dispõe sobre regras de uso e ocupação da zona costeira e estabelece critérios de gestão da orla marítima, e dá outras providências.

    Art. 14. O Poder Público Municipal, observadas as normas e os padrões federais e estaduais, planejará e executará suas atividades de gestão da zona costeira em articulação com os órgãos estaduais, federais e com a sociedade, cabendo-lhe:

    I - elaborar, implementar, executar e acompanhar o PMGC, observadas as diretrizes do PNGC e do PEGC, bem como o seu detalhamento constante dos Planos de Intervenção da orla marítima, conforme previsto no art. 25 deste Decreto;

    II - estruturar o sistema municipal de informações da gestão da zona costeira;

    III - estruturar, implementar e executar os programas de monitoramento;

    IV - promover o fortalecimento das entidades diretamente envolvidas no gerenciamento costeiro, mediante apoio técnico, financeiro e metodológico;

    V - promover a compatibilização de seus instrumentos de ordenamento territorial com o zoneamento estadual;

    VI - promover a estruturação de um colegiado municipal.

    (Alex Matias)

    ResponderExcluir
  14. Estive passando com amigos fazendo o percurso Natal / Galinhos pela beira Mar, como costumo fazer este tipo de passeio e tambem costumo respeitar as praias que não são permitido o acesso as areas urbanas na beira mar, falei com todos do passeio para que ao chegar em gostoso iria ter um movimento proibindo o trafégo de carros na beira da praia, ao chegarmos na entrada de gostoso , não vimos o movimento e nem fiscalização, mas mesmo assim em respeito ao meu pedido todos n´s saimos da beira mar,eu sabia do movimento e informei e quem não sabe? vamos informar, vamos fiscalizar, vamos sinalizar que tudo isto esta muito precário e deixa fraco todo trabalho das pessoas que estão envolvidas no movimento.

    Fatima Teixeira

    ResponderExcluir
  15. Existem coisas que não entendo, uma delas foi o comentário triste que citava "Os gringos constroem, ab(r)em empresas, fazem abuso de crianças, desordem e permanecem aqui sem o menor respeito a nós Brasileiros. Em relação ao local onde esta frase foi escrita não me vou pernunciar, porque não sou eu cidadão que tenho de julgar ou não, mas sim a justiça. Em relação ao empresário Portugues e pelo que consta na cidade, nem sequer foi feita queixa pela vitima, porque? Ninguém sabe, mas sem duvida que é deveras estranho. Eu não Nasci em São Miguel, mas moro neste lugar maravilhoso e preocupo-me com a cidade. Assim sendo, segui o movimento de praia sem carros e caminhai desde o final da estrada de piçarro com todo o material de kitesurf. Quando cheguei estava acabado, mas feliz, porque tinha contribuido para uma boa causa. Enchi o kite e estiquei as linhas quando me preparo para ir para a agua e para meu espanto, avisto uma carrinha a uma velocidade consideravel a passar por cima do meu material de kite. POR SORTE minha, claro!!! nada se estragou. Velejadores locais que tambem ficaram indignados iformaram-me que se tratava de uma pessoa nascida em São Miguel e não de um "gringo" ou pessoal de outras cidades do Brasil. Assim sendo eu questiono-me, quem cria a desordem e não tem respeito... Apelem às entidades competentes para fiscalizarem as praias e assim acredito que este movimento irá ter algum efeito. Até lá, há os espertos e aqueles que pelas costas são chamados de (Ó_Á_IOS) por quererem contribuir para uma cidade melhor.

    ResponderExcluir
  16. Assustadíssimo! Parece que quanto mais se reclama mas as coisas acontecem! Hoje no final da tarde enquanto caminhava pela praia, tive a infelicidade de ver um casal de adolescentes ser atropelado por um bugre em alta velocidade. A distância entre os adolescentes e o automóvel que passou em alta velocidade não foi maior que 1 metro. Os adolescentes ficaram assustadíssimos, e não era para menos, assim como nós que vimos de perto. O bugueiro, por sua vez, sequer olhou para trás. O que está se esperando? Prefeitura acorda para a fiscalização!!! Não faça pouco caso desse problema. Vidas estão em riscos! E é preciso punir esses irresponsáveis. E insisto, a lei federal atribui ao poder público municipal "estruturar, implementar e executar os programas de monitoramento" da zona costeira. O que está esperando? Vai esperar alguém morrer? É um absurdo!!!!!

    (Alex Matias)

    ResponderExcluir