domingo, 4 de dezembro de 2011

Sócrates, o "Doutor", morre no mesmo dia em que o Corinhians é pentacampeão brasileiro de futebol

Por Emanuel Neri

A vida tem umas coincidências incríveis. Quis o destino que o ex-jogador Sócrates, maior ídolo corintiano de todos os tempos, falecesse neste domingo (4/12), dia em que o Corinthians se sagrou pentacampeão brasileiro de futebol. Sócrates foi sepultado, em Ribeirão Preto (SP), na mesma hora em que começava o jogo com o Palmeiras, que deu o título ao Corinthians.
A emoção pela perda de Sócrates começou desde cedo, quando foi noticiada sua morte. Rádios, TVs e portais onlines não paravam de noticiar sua morte. A notícia teve uma enorme repercussão nas redes sociais. Repercutiu também na imprensa em todo o mundo. Mas Sócrates também esteve presente – em faixas, camisas e cartazes (veja foto acima) – no estádio, de forma emocionante, durante todo o jogo em que o Corinthians, também de forma emocionante, foi campeão.
Antes de começar o jogo, os jogadores corintianos fizeram um semicírculo e ficaram um minuto de silêncio, com o punho direito no ar, cerrado, uma das características de Sócrates ao comemorar gols. Toda a torcida imitou o gesto. Durante o jogo, os torcedores gritavam, em coro, o nome de “Magrão” e “Doutor”, apelidos que Sócrates ganhou no Corinthians. Ah, o apelido de “Doutor” é porque ele era formado em Medicina.
Sócrates foi bicampeão paulista pelo Corinthians em 1982 e 1983. Foi o capitão da Seleção Brasileira em 1982, quando o Brasil, embora não tenha sido campeão mundial, formou uma de suas melhores seleções de todos os tempos. Também jogou pela seleção em 1986. Sócrates era um craque – seus gols e passes de calcanhar ficarão sempre na memória de todos.
Mas o que mais marca a vida de Sócrates é a retidão de seu caráter, seu nível de politização e sua preocupação com o destino do Brasil. Foi um crítico severo da ditadura militar e participou ativamente da campanha pelas Eleições Diretas, em 1984. Mas o mais marcante deste período é a chamada “Democracia Corintiana”, quando Sócrates e outros jogadores mudou a história do Corinthians.
A “Democracia Corintiana” era uma prática de democratização na base corintiana. Com ela, os jogadores passaram a ter maior protagonismo nas decisões do time e nas relações com a direção do clube, treinador e  até a apaixonada torcida do time. O resultado foram vários títulos para o Corinthians e a formação de uma geração de jogadores conscientes de suas responsabilidades políticas e sociais com o Brasil.
Sócrates era brasileiro até no nome. Chamava-se Sócrates Brasileiro Sampaio de Souza Vieira de Oliveira. Um nomão e tanto - digno de uma pessoa que também foi grande, como atleta de futebol e como homem.   

3 comentários:

  1. Vai cagar Corintiano!!!

    ResponderExcluir
  2. cagar que nada cara, acho que você nunca viu o Dr. Sócrates Jogar, um cracaço de jogadas geniais de alto nível, sou São Paulino mais a verdade tem que ser dita, além de um grande profissional Sócrates foi um Exemplo a todos os deportista Brasileiros, como Homem de caráter e digno.

    ResponderExcluir
  3. Nossa que baixaria desse Anônimo! respeite esse grande Ídolo!! que merece todo nosso respeito. vc é um parasita amigo! vc não conhece nada de FUTEBOL!! o cara merece todo nosso carinho! INUTIL!!

    ResponderExcluir